ESPERANÇA: Universidade da Flórida acredita ter descoberto a cura para o Lúpus

O Lúpus é uma doença autoimune crônica que não tem limites e pode danificar qualquer parte do corpo, desde a pele, articulações até órgãos.

vacina-lupus

Pesquisadores descobriram que com a combinação de duas drogas já existentes, é possível reverter o lúpus em ratos.

Em um novo estudo publicado pela Sience Translational Medicine, pesquisadores da University of Florida, descobriram que ao inibir certas vias metabólicas em células imunitárias é possível combater o lúpus em ratinhos.

A cada ano 16.000 novos casos aparecem nos Estados Unidos. A doença afeta 1,5 milhões de americanos, de acordo com o Lupus Foudation of America.

O lúpus erimatoso sistêmico, ou lúpus, é uma doença autoimune, no qual o sistema imunológico – que supostamente protege nosso corpo contra invasores – ataca os tecidos do corpo causando inflamação. O lúpus pode ter, às vezes, os mesmos sintomas da artrite.

Um dos marcadores do lúpus são as células T auxiliares defeituosas, células brancas do sangue que ativam outras células do sistema imunológico. Estas células T comem glicose e oxigênio para produzir energia.

Para pessoas com lúpus o metabolismo das células T é hiper ativado. Células T hiper ativadas significam aumento na inflamação, e para as pessoas com lúpus isso significa mais danos físicos.

As duas drogas que os investigadores testaram no estudo atual parecem inibir antes as vias metabólicas e a combinação parece ser a chave para o sucesso.

“O resultado mais surpreendente deste estudo foi que a combinação dos dois inibidores metabólicos era necessária para reverter a doença, quando poderia ter sido previsto com base em modelos publicados por outros onde qualquer um dos inibidores sozinho iria funcionar”, disse o coautor do estudo, Laurence Morel, Ph.D., Diretor de Patologia Experimental e Professor de Patologia, Imunologia, e Medicina Laboratorial na University of Florida College of Medicine, em um e-mail para a Healthline.

Os pesquisadores da Florida University decidiram olhar para a glicólise – a conversão da glicose em energia – e metabolismo mitocontrial – produção de energia na célula – como eles se relacionam com o metabolismo das células T.

“Os dois processos regulam os estados de energia de células do sistema imunológico, que são hiper-ativados no lúpus e responsável por iniciar e manter a doença”, disse Morel. “Nosso estudo é o primeiro a relatar uma análise detalhada destas vias metabólicas celulares no lúpus.

Para atacar o lúpus, os pesquisadores decidiram usar duas drogas que bloqueiam a glicólise e metabolismo mitocondrial. As drogas são 2DG (em desenvolvimento) e metformina (aprovada pelo FDA).

Ao fazer isso, os pesquisadores efetivamente reverteram o lúpus em ratos. Eles também mostraram que as células T em pacientes humanos com lúpus com maior glicólise e metabolismo mitocontrial ficaram com o metabolismo celular mais lento quando expostos a metformina.

As duas drogas não afetaram as células T em ratos saudáveis. As drogas também podem ser utilizadas com segurança, a um custo modesto, dizem os cientistas.

Os pesquisadores também disseram que parece que através da utilização de baixas doses de inibidores metabólicos nas células imunes hiper-ativadas em ratos com lúpus, normaliza o metabolismo celular. As duas drogas diminuem a atividade metabólica celular sem bloqueá-la completamente.

“Este estudo também poderá abrir portas para a identificação de outras vias metabólicas”, disse Morel. “Além disso, estas novas classes de drogas podem beneficiar os pacientes com lúpus, em oposição à abordagem mais clássica que tipicamente dependem das drogas imunossupressoras”.

Antes destas duas drogas chegarem aos testes clínicos, os pesquisadores necessitam comparar os efeitos das mesmas em pacientes humanos, para outras condições. Ainda há mais a ser feito em ratos, incluindo testes para determinar se inibidores metabólicos podem ser usados juntamente com os medicamentos convencionais utilizados no lúpus.

Os pesquisadores da Universidade da Flórida estão em processo de testar em quanto tempo o tratamento poderá ser interrompido em ratos antes que a atividade da doença apareça novamente.

A reportagem em inglês pode ser vista aqui: Healthline.

Lúpus Brasil


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0