Comunidades indígenas são inseridas nas políticas públicas governamentais

Comunidades indígenas do município de São Sebastião receberam sementes

Índios alagoanos ganham acesso a sementes que contribuem com sua independência financeira. Fotos: Ascom Emater
Índios alagoanos ganham acesso a sementes que contribuem com sua independência financeira. Fotos: Ascom Emater

Dando continuidade ao Programa de Distribuição de Sementes do Governo do Estado, a Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri) realizou, nesta sexta-feira, 27, a entrega das sementes para comunidades indígenas do município de São Sebastião, no Agreste alagoano.

A ação foi possível graças ao trabalho da secretaria em parceria com o Instituto de Inovação para o Desenvolvimento Rural Sustentável (Emater-AL), que após a contratação de três técnicos indígenas aprovados no processo seletivo, formou a Comissão de Ater (Assistência Técnica e Extensão Rural) Indígena e garantiu o acesso dessas comunidades às políticas públicas estaduais.

As aldeias Karapotó Terra Nova e Karapotó Plak-ô foram contempladas com sementes de milho, feijão e sorgo. Na próxima semana, cinco aldeias localizadas nos municípios de Joaquim Gomes, Palmeira dos Índios, Pariconha e Porto Real do Colégio também receberam os grãos.

O gerente regional da Emater-AL, Moisés Leandro Silva, explica que a demanda de distribuições da semente é da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri),  mas que a Emater vem contribuindo no apoio à distribuição e também com a participação dos técnicos do instituto durante as reuniões de cadastramento dos agricultores.

Emater_indios_entrega_inter

Após a entrega de sementes a Emater-AL realizará ainda a prestação de serviços de Ater para esse público. No início do mês a comissão, já havia feito levantamento das demandas dos agricultores familiares indígenas da região Agreste.

De acordo com o extensionista da Emater-AL, Marcelo Máximo, que faz parte da comissão, a chegada das sementes vem para contribuir com a inserção do índio alagoano nas políticas públicas estaduais.

“Agora, há todo um respaldo de assistência técnica para os agricultores, no plantio, na comercialização, e vai ser nossa participação direta com eles. É de grande importância porque vai ter o benefício tanto para consumo próprio, quanto para venda”, enfatiza Marcelo.

Vinícius Rocha – Agência Alagoas

Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0