Aposentado de Sorocaba coleciona mais de 3 mil ‘santinhos’ de políticos desde 1988

Tomaz Cortez Montes tem arquivos de 1988, 1992, 1996, 2000, 2004 e 2008. Propagandas eleitorais são organizadas por partidos, votos, entre outros

whatsapp_image_2016-09-28_at_17-52-11

“Azeitona”, “Beto Avião” e outros nomes exóticos de candidatos das eleições municipais de 1988 em Sorocaba (SP) inspiraram o aposentado Tomaz Cortez Montes, de 74 anos, a criar uma inusitada coleção de “santinhos”. Curioso quando se trata de política, o sorocabano reuniu mais de 600 papéis com informações de candidatos apenas naquele ano, número que cresceu cinco vezes até 2008, quando ele encerrou o hobby com mais de 3 mil propagandas encadernadas.

“Estava conversando com amigos sobre candidatos que tinham apelidos raros e fomos juntando ‘santinhos’. Quando fui catalogar, tinham mais de 600. Decidi repetir essa ação até 2012, mas como não cataloguei os daquela eleição, a de 2008 se tornou a última”, explica.

Os “santinhos” estão organizados em livros de capa dura, divididos por ano eleitoral e organizados por partido político, mais e menos votados e curiosidades, como o candidato mais velho e o mais jovem, entre outros.

Algumas edições, como a de 1988, tem inclusive o candidato com o maior nome a concorrer a uma vaga na câmara municipal daquele ano: José Julio Pereira Cintra de Almeida Prado, filiado ao Partido da Frente Liberal (PFL).

No total, são arquivos de 1988, 1992, 1996, 2000, 2004 e 2008 que têm, cada um, mais de 600 propagandas de candidatos. Apesar do número de opções, o aposentado considera o primeiro o mais especial. “O de 1988 foi feito com mais detalhes, por ser o primeiro. Eu acompanhava tudo de perto, estava mais atento. É bem bacana.”

As propagandas eleitorais já chamaram até a atenção inclusive de possíveis compradores, mas o sorocabano garante que não está interessado em se desfazer dos arquivos. Pelo menos por enquanto. “Pedi para o interessado deixar para lá. Mas você sabe, tudo nesta vida tem preço [risos]. Por enquanto, não estou vendendo”, brinca.

Segundo o aposentado, o recolhimento de “santinhos” ocorre não apenas por parte dele, mas também de amigos e clientes da lanchonete que ele mantém, junto a mulher, no bairro Guadalajara. Questionado se considera a coleção uma prática saudável, ele afirma que sim e diz ter melhorado a concentração após ela.

“Quando dou por mim, já estou colecionando alguma coisa. Gosto de organizar e saber mais sobre as coisas ao meu redor. Me faz muito bem e me diverte”, destaca.

g1

30/09/16

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0