10 jogadores ruins que se deram bem

Sorte e bons empresários: veja os jogadores ruins que jogam ou jogaram em grandes clubes do futebol mundial

mh_interna_osjogadoresruinsquesederambem-10belletti

Uns dizem que eles têm muita sorte, outros dizem que eles têm “estrela”. Há também os que afirmam que seus empresários são verdadeiros mitos.
Veja os 10 jogadores que inexplicavelmente conseguiram vestir camisas de peso do futebol mundial:
 
# BELLETTI
Mesmo com um currículo recheado de títulos importantes na carreira, o lateral sempre foi muito contestado. O que não se pode negar é que, apesar de sua técnica questionável, Belletti foi um jogador muito esforçado. Com passagens de destaque em clubes como Villarreal, Barcelona e Chelsea, venceu o Campeonato espanhol, a Premier League, a UEFA Champions League e a Copa do Mundo de 2002 (na reserva): são títulos de fazer inveja para muito craque por aí. Afinal, futebol é um esporte coletivo.
 
# CASEMIRO
Reserva no São Paulo, o volante conseguiu encher os olhos dos olheiros do Real. Chegou ao time B do clube merengue e depois de subir para a equipe principal, acabou disputando uma final de Champions League. O pior de tudo é que viu a cobiçada “orelhuda” cair no seu colo na última temporada: o título de clubes mais importante do mundo é algo que ninguém pode tirar do jogador. Ainda assim, por algum motivo, ele foi emprestado ao Porto…
 
# THOMAS GRAVESEN
Brucutu nato, o careca dinamarquês conseguiu atuar como volante do Real Madrid por duas temporadas (2004/2005 e 2005/2006) e muita gente não compreende o fato até hoje. O ex-volante se aposentou em 2009, para a alegria dos amantes do futebol bonito.
 
# DONI
O goleiro que chegou a ser titular da seleção brasileira na Copa América de 2007 é considerado um dos casos de maior sucesso de empresários no futebol brasileiro. Doni jogou 6 anos no Roma e também chegou a defender o Liverpool. Seu auge foi a convocação para a Copa de 2010. Já aposentado, é um caso a ser estudado no futebol.
 
# TADDEI
Um dos jogadores mais raçudos da lista também é muito lembrado por sua escassez de técnica e habilidade. Após surgir no Palmeiras, poucos conseguiram compreender o interesse do Roma no jogador. Ainda assim, apesar das críticas o volante é muito querido pela torcida do clube italiano. Seu contrato com o Roma se encerrou neste ano.
 
# MÍCHEL SALGADO
Salgado é um caso raro: a pouca técnica do espanhol não o impediu de ocupar por 10 anos a lateral direita do Real Madrid. Além do mais, era muito criticado por ser um cavalo em campo. Para quem não se lembra, o jogador foi o responsável por quebrar a perna de Juninho Paulista e tirá-lo do Mundial de 98.
 
# DOUGLAS
O lateral-direito meia boca que surgiu no Goiás e atraiu o interesse do São Paulo, foi vendido ao Barça por 4 milhões de euros e deixou torcedores brasileiros incrédulos com a transferência. Não é todo dia que um jogador limitado tem a oportunidade de se juntar a um plantel de jogadores como Messi, Neymar e Iniesta. Às vezes o futebol parece meio controverso.
 
# RODRIGO FABRI
Quando surgiu na Portuguesa, o meia era considerado uma das maiores promessas do futebol brasileiro. Protagonista da campanha do vice da Lusa no Brasileiro de 1996, o jogador chamou a atenção do Real Madrid e foi contratado pelo clube espanhol. Mas não durou muito: o jogador voltou ao futebol brasileiro. Ainda assim, Fabri já teve passagens em outros clubes importantes como o Sporting de Portugal e o Atlético de Madrid.
 
# EMMANUEL ADEBAYOR
Alto e desajeitado, o centroavante togolês já passou por clubes, como Mônaco, Manchester City e Real Madrid, mas foi no Arsenal que vive o seu auge. Adebayor é o típico centroavante grosso: usa a força, o faro de gol e um pouco (ou muita) sorte para se firmar na carreira.
 
# JÔ
Nascido no famoso “terrão” do Corinthians, sua falta de habilidade foi compensada com um bocado de sorte: passou por clubes como CSKA Moscou, Everton, Galatasaray e Manchester City e foi o artilheiro do Galo na Libertadores de 2013, quando o clube mineiro ganhou a competição pela primeira vez. E sua sorte também inclui no pacote a convocação para a seleção olímpica de 2008 e a sua ida para o Mundial do Brasil. Após o corte de Leandro Damião, o centroavante do Galo foi convocado para o grupo da Copa das Confederações de 2013 e aproveitou bem a chance, conquistando de vez a vaga para o Mundial de 2014. Para muitos, quando Jô é escalado para uma Copa, é porque o futebol brasileiro precisa rever seus conceitos.
areah

Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0