Fortalecido pelas manifestações, Moro fala sobre vazamentos na CCJ da Câmara

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, visita a Câmara dos Deputados na terça-feira (02/07), às 14h, para falar aos deputados sobre conversas que teriam sido travadas entre ele e investigadores da força-tarefa da Lava Jato. Moro julgou casos da operação quando era juiz federal em Curitiba (PR).

Ao todo, 27 deputados federais de oito partidos assinaram cinco requerimentos convidando o ministro a falar sobre o tema. A audiência será realizada por três comissões da Câmara: Constituição e Justiça (CCJ), Direitos Humanos e Minorias (CDHM) e Trabalho, Administração e Serviço Público (CTASP), atesta o Terra.

A maioria dos deputados que subscreveram os convites a Moro é de partidos de oposição, como PT, PSOL, PDT, PC do B e PSB. Mas há também representantes do DEM, do MDB e até do PSL.

Inicialmente, deputados de oposição queriam que Moro fosse convocado à Câmara – o que não aconteceu. Se a convocação tivesse sido aprovada, Moro poderia até ser punido caso não comparecesse.

A assessoria do ministro confirmou à BBC News Brasil, na tarde de segunda-feira (01/07), que ele compareceria à audiência com os deputados.

Esta não é a primeira vez que Moro é convidado ao Congresso por causa dos vazamentos. Ele falou sobre as mensagens na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal, em 19 de junho.

Na ocasião, senadores de oposição mantiveram um tom relativamente sereno ao questionar o ministro. O último convite aconteceu, na quarta-feira, 26 de junho, mas Moro cancelou dias antes, por causa de uma viagem oficial aos Estados Unidos.

Na sessão de hoje, a expectativa é de que os questionamentos sejam mais incisivos, segundo deputados ouvidos pela BBC News Brasil.

No início de junho, o site jornalístico The Intercept começou a publicar reportagens baseadas nas supostas trocas de mensagens.

Segundo o site, os diálogos mostrariam que Sergio Moro trabalhou em conjunto com os investigadores – em alguns casos, para prejudicar investigados e réus da Lava Jato, algo que Moro e os procuradores negam. Na época das conversas, ele era o responsável por julgar os casos da operação na 1ª Instância da Justiça Federal em Curitiba (PR), onde a investigação começou em março de 2014.

A BBC News Brasil não conseguiu confirmar de maneira independente a veracidade das mensagens reproduzidas pelo The Intercept, mas a série de reportagens tem movimentado autoridades e políticos.

Desde a última tentativa dos deputados de ouvir Moro, novas reportagens foram publicadas sobre supostos diálogos do ex-juiz com procuradores. Numa delas, o jornal Folha de S. Paulo – que começou a colaborar com The Intercept no caso – afirma que o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, só passou a ter a confiança dos investigadores depois de mudar sua versão sobre as acusações de propina envolvendo o ex-presidente Lula (PT).

Moro também chega à Câmara depois de manifestações em defesa dele e da operação Lava Jato. Apoiadores do ex-juiz foram às ruas no domingo (30/06) em pelo menos 70 cidades.

A BBC News Brasil ouviu brasileiros de diferentes classes sociais na passeata de São Paulo (SP) para conhecer suas motivações.

“(As conversas) só demonstram um juiz se esforçando para fazer Justiça. A Lava Jato prendeu diversos criminosos e agora estão querendo acabar com ela”, disse o cobrador de ônibus Edmar Rocha da Silva, que foi à Avenida Paulista com a mulher e o filho de cinco anos.

Moro comentou as manifestações no Twitter. “Eu vejo, eu ouço, eu agradeço. Sempre agi com correção como juiz e agora como Ministro. Aceitei o convite para o MJSP para consolidar os avanços anticorrupção e combater o crime organizado e os crimes violentos. Essa é a missão. Muito a fazer”, escreveu ele.

“Sou grato ao PR (presidente) Jair Bolsonaro e a todos que apoiam e confiam em nosso trabalho. Hackers, criminosos ou editores maliciosos não alterarão essas verdades fundamentais. Avançaremos com o Congresso, com as instituições e com o seu apoio”, tuitou Moro.

02/07/2019

(Visited 1 times, 1 visits today)